Gastronomia e terapia são tema de pesquisa acadêmica em psicologia

Estudante de Joinville, apaixonada pela arte de cozinhar, inicia estudos pioneiros sobre novo tratamento complementar para vários problemas de saúde.

 

Ana Letícia, que divide seu tempo entre criações culinárias e seu curso, capricha no risoto de camarão. Foto: Maurício Michels/Divulgação.
Ana Letícia, que divide o tempo entre criações culinárias e seu curso, capricha no risoto de camarão.
Foto: Maurício Michels/Divulgação

 

Recentemente, clínicas psiquiátricas dos Estados Unidos – entre elas, a Newport Academy, da Califórnia –, passaram a incluir aulas de gastronomia como tratamento complementar para pessoas com depressão, ansiedade e outros tipos de problemas de saúde mental. Os especialistas norteamericanos explicam que, entre os benefícios das aulas diárias de culinária, estão o reforço da autoestima, concentração e redução da ansiedade.

 

No Brasil, esse tema chamou a atenção de uma estudante de psicologia apaixonada por cozinha: a curitibana Ana Letícia Amaral Lourenço, de apenas 19 anos, que acaba de “passar” para o 5º semestre da Univille – Universidade da Região de Joinville (SC), onde mora com a família. E ela já está desenvolvendo pesquisas acerca dos assuntos de que mais gosta para aplicar em seu trabalho de conclusão de curso.

 

Acompanhe as propostas de Ana Letícia sobre gastronoterapia no artigo que ela produziu especialmente para a revista digital Sucesso na Cozinha. (Sueli Lafratta)

 

Gastronoterapia, onde a cozinha e a psicologia se encontram.

 

Foto: Divulgação

 Ana Letícia Amaral Lourenço

 

Meu sonho com a gastronomia vem desde muito cedo. Meus avós sempre tiveram padaria e doceria em Curitiba, onde aprendi com eles muitas receitas e segredos de cozinha. Outro sonho era a psicologia. No ano passado, comecei a cursar e ainda tinha dúvidas sobre minha escolha.  Porém, na faculdade, conheci amigas que também se interessam pela gastronomia e que me incentivaram a unir esses meus dois sonhos. Pesquisando sobre o tema na internet, percebi o quanto a gastronomia está crescendo no Brasil e encontrei uma publicação que trata a gastronomia como método de tratamento para doenças mentais ou obesidade, por exemplo. A partir de então, comecei a estudar a união dessas especialidades para tornar o tratamento de várias patologias ainda mais completo.

Massa ao nero com molho de funghi e tomates confit, by Ana Letícia. Foto: Divulgação
Massa ao nero com molho de funghi e tomates confit, by Ana Letícia.
Foto: Divulgação

Primeiramente, eu percebi que o assunto ainda é novo e não tem muitas pesquisas aprofundadas. Em contato com alguns professores da área da gastronomia e da psicologia, estou em busca da melhor maneira para usufruir das vantagens que a gastronomia pode fornecer. Mesmo sendo um tema novo, acredito que possa ser implantado até mesmo no desenvolvimento infantil. Durante o curso de psicologia, descobri meu interesse também pelo desenvolvimento infantil. Creio que a gastronomia também seja uma ótima atividade para praticar com as crianças, tanto para estimular a parte sensorial, de mexer com ingredientes de texturas, cores e sabores diferentes, quanto para incentivar a boa alimentação, fazendo com que as crianças possam preparar alimentos simples e saudáveis, trazendo assim uma melhor qualidade de vida.

 

Isto sem descartar a estimulação no desenvolvimento motor, que envolve o tratamento de diversas patologias, proporcionando bem-estar e prazer.

Sushi e sashini: concentração. Foto: Mariah Fraga
Sushi e sashimi: concentração.
Foto: Mariah Fraga/Divulgação

A gastronoterapia pode despertar várias particularidades. Minha primeira intenção é trabalhar com essa especialidade, aproximando crianças e pessoas com deficiência da arte gastronômica para o melhor desenvolvimento motor e cognitivo, mantendo a mente ocupada e estimulando a criatividade. Segundo especialistas, a atividade de cozinhar pode estimular o foco, a autoconfiança, diminuindo a ansiedade e melhorando as habilidades sociais.

 

Como trabalho de conclusão de curso, pretendo relacionar essas minhas duas paixões, a gastronomia e a psicologia, de uma maneira que traga cada vez mais a arte de cozinhar para o cotidiano das pessoas. Depois de formada, meu desejo é trabalhar com a terapia clínica, no meu próprio consultório, onde poderei estimular meus pacientes por meio da gastronoterapia.

 

Diversidade: petit gateau... Foto: Divulgação
Diversidade de receitas: petit gateau…
Foto: Divulgação
...creme brulee... Foto: Mariana Fabrin/Divulgação
…creme brulee…
Foto: Mariana Fabrin/Divulgação
...torta de palha italiana... Foto: Divulgação
…torta de palha italiana…
Foto: Divulgação
...ostras gratinadas na churrasqueira... Foto: Divulgação
…ostras gratinadas na churrasqueira…
Foto: Divulgação
...massa fresca de macarrão. Foto: Karoline Giordini
…massa fresca de macarrão.
Foto: Karoline Giordini/Divulgação

Curta a Fan Page Sucesso na Cozinha

www.facebook.com/portalsucessonacozinha

7 thoughts on “Gastronomia e terapia são tema de pesquisa acadêmica em psicologia

  • Sofia Cieslak Zimath

    (13/03/2017 - 11:20 am)

    Oi, Ana…que surpresa boa esse seu interesse em aliar a Psicologia e a Gastronomia. Parabéns pela criatividade e empenho, espero que tenha muito sucesso. Há uma boa perspectiva de fazermos um ótimo trabalho em ECS3, pelo seu interesse em pesquisa, vamos buscar ótimos resultados….abraços

  • MARIA EMANUELA

    (22/12/2016 - 2:12 pm)

    Amei a matéria. Sou acadêmica de Psicologia e conversei com a coordenadora há alguns dias, que tenho interesse de trabalhar meu TCC nessa linha de estudo Gastronomia – Psicologia; vejo que o afeto está muito ligado ao preparo dos alimentos. E que surpresa! hoje ela compartilhou comigo seu trabalho. Amo fazer comida e muito do que sei aprendi com minha mãe. Parabéns Ana Letícia. Sucesso! Que bom que compartilhamos do mesmo ideal.

  • Erenice Munhoz Garbe

    (20/12/2016 - 10:21 pm)

    Amo o que faço…. cozinharrrrrrr

  • Silvia Paes Leme da Motta

    (20/12/2016 - 7:17 pm)

    Amei a entrevista e acho que vai ser muito interessante a junção das duas áreas, Gastronomia e Psicologia, para o desenvolvimento do seu trabalho de conclusão de curso e para novas contribuições na área educacional e clínica. Fiquei feliz de ter contribuído com alguns conhecimentos de Psicologia do Desenvolvimento para a expansão de suas propostas de pesquisa. Conte comigo se precisar de dicas de bibliografia e saiba que também sou uma amante da cozinha. Durante esse ano, percebi sua dedicação e entusiasmo nas aulas e estudos, bem como seu comprometimento com a sua formação profissional.. Beijo grande de sua professora. Genial a idéia!!!

  • Mónica

    (20/12/2016 - 2:10 pm)

    Parabéns Ana! Adorei e desejo muito sucesso nesta nova etapa! Vc é merecedora de tudo de bom! Adoro vc e torço muito pelo teu sucesso e felicidade! Bjs linda!!!!

  • karoline giordani

    (20/12/2016 - 1:09 pm)

    Ameiii!!!!!
    Parabéns Ana, você merece tudo isso, ficou ótimo. Beijinhos.

  • Gabriela Ramos Tomasini Goulart

    (20/12/2016 - 1:05 pm)

    Parabéns Ana!!! Muito legal esse trabalho. Adoro suas receitas! Você é espetacular. Beijocas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *